28/09/2017

Fotos: Mejud

xIMG_9659

As salas do Palácio da Justiça recebem nova pintura

O centenário Palácio da Justiça Rodrigues Campos passa por uma readequação e reforma de suas dependências internas com o objetivo de prepará-lo para receber o novo layout proposto para o Museu da Memória do Judiciário Mineiro (Mejud). As obras, iniciadas em agosto deste ano, incluem a correção das infiltrações nas paredes e dos vazamentos nos banheiros, revisão das instalações elétricas e de informática, troca de vidros quebrados, conserto de portas e janelas e pintura das salas. Os serviços atenderão à nova realidade das áreas administrativas do Museu e de preservação do acervo documental, pesquisa e visitação.

Inaugurado em 1912, o histórico prédio, localizado na avenida Afonso Pena 1.420, em Belo Horizonte, serviu como sede do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJMG) por mais de um século. Em 2017, a sua estrutura judiciária se mudou para a ampla e moderna edificação no bairro Serra. A Mejud funciona no Palácio da Justiça desde a sua criação em 1988 e dividia espaço com as câmaras cíveis e criminais, Órgão Especial, gabinete de apoio aos magistrados, taquigrafia e salas de advogados e do Ministério Público.

“Sabíamos que o prédio necessitava há muito tempo de uma reforma. Como nele ainda funcionavam os julgamentos da Segunda Instância, tivemos que adiar as obras”, esclarece a assessora do Mejud, Andréa Costa Val. Ela ressalta que tudo foi previamente aprovado pela Presidência e a Diretoria Executiva de Engenharia e Gestão Predial (Dengep), lembrando, também, que as intervenções estão sendo executadas de acordo com o anteprojeto elaborado por equipe especializada em arquitetura e restauração contratada pelo TJMG.

Ainda, segundo a assessora, a restauração completa do Palácio da Justiça terá início somente depois de ser aceita no planejamento orçamentário do TJMG, o que ainda não tem data definida. “Nessa etapa, serão realizadas a pintura externa e a modernização dos equipamentos de climatização e do sistema elétrico”, informa.

xIMG_9614

Ambientes temáticos serão criados no Museu

Novo layout

O layout de ampliação do Museu da Mejud criará ambientes temáticos inéditos dentro do Palácio da Justiça. “Até então, muitos objetos e documentos estavam guardados em local restrito devido à falta de espaço”, explica a assessora, destacando que as mudanças trarão mais conforto e informação aos visitantes.

No andar térreo, a antiga sala de taquigrafia será dedicada ao Tribunal da Relação de Ouro Preto, criado pelo Imperador dom Pedro II em 1873. Ele funcionou naquela cidade até 1897, quando se transferiu para Belo Horizonte, que foi construída para ser a nova capital de Minas Gerais.

A sala que guardava os livros do desembargador Amilcar de Castro, à esquerda do hall de entrada do Palácio da Justiça, receberá a exposição sobre a Mejud. O espaço contará a história de criação do setor e abrigará os quadros dos seus superintendentes e assessores. O público terá, ainda, acesso a monitores touch screen com dados sobre o Poder Judiciário mineiro, arquivos de livros, vídeos e notas históricas e biográficas.

As salas das sessões de julgamento, que funcionavam nesse pavimento, serão transformadas em dois novos ambientes. Uma será destinada ao material sobre as sedes do TJMG e o Palácio da Justiça, como plantas arquitetônicas, fotografias, quadros, pasta de obra, jornais antigos e uma faixa de parede, descoberta sob o telhado, que ainda preserva a pintura decorativa original do prédio. A outra sala, dedicada aos desembargadores, guardará fotos, quadros, cartas de bacharel, livros de registro e objetos pessoais de magistrados.

O Salão Nobre permanecerá com o mobiliário atual, pinturas e galeria de quadros de ex-presidentes e será acrescido de fotos de gestão presidencial, documentos sobre o Tribunal Pleno e biografias interativas de ex-presidentes. No local, atividades de educação patrimonial serão ministradas no mezanino.

No andar superior, as três salas que serviram às câmaras abrigarão exposições com os temas Justiça, Processos e Audiência. Os móveis nesses cômodos serão mantidos e, dessa forma, ficará guardado o registro do mobiliário utilizado nas sessões de julgamento no Palácio da Justiça.

Na Sala do Barão do Rio Branco, o público poderá contemplar o majestoso quadro do diplomata brasileiro, móveis, fotos e objetos alusivos às visitas de personalidades ilustres ao TJMG.

Complementando a nova organização do Museu, o Salão do Órgão Especial será preservado e terá uma exposição sobre a criação da Corte Superior.

Além das mostras temporárias previstas para o Palácio da Justiça, a Mejud busca parcerias com entidades culturais de Belo Horizonte para ampliar o universo de visitantes.

O Museu da Mejud funciona de segunda a sexta-feira, das 13h às 17h. O agendamento pode ser feito pelo telefone (31) 3237-6224 ou pelo correio eletrônico mejud@tjmg.jus.br. A entrada é franca.