21/10/2019

Foto: Mejud

x20191021_135409

O Jornal Minas Gerais foi lançado, em 1892, na cidade de Ouro Preto

A Memória do Judiciário Mineiro (Mejud) do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJMG) apresenta como “Fato do Mês” de outubro a exposição sobre a última edição do Diário Oficial de Minas Gerais, lançada em 9 de março de 2019. Exposta também a primeira edição do jornal, de 21 de abril de 1892, editada em Ouro Preto, então capital do Estado, 100 após a morte de Tiradentes.

A mostra itinerante do “Fato do Mês” estará aberta ao público, de 13h às 17h, no Palácio da Justiça Rodrigues Campos (21/10 a 25/10), Palácio da Justiça Unidade Afonso Pena 4001 (29/10 a 01/11), Unidade Raja Gabaglia (04/11 a 08/11), Fórum Lafayette (11/11 a 14/11), Corregedoria-Geral de Justiça (18/11 a 22/11) e Anexo I (25/11 a 29/11). Outras informações pelo telefone (31) 3237 8257 ou pelo correio eletrônico mejud@tjmg.jus.br.

Marco literário

O Minas Gerais, principal publicação da Imprensa Oficial do Estado de Minas Gerais (IOMG), chegou a sua última edição impressa em 2019. Um marco significativo nos 128 anos da história do jornal, que passou a ser distribuído apenas online. Fundado em novembro de 1891, o periódico, responsável por legitimar os atos oficiais do Estado, marcou épocas e a sociedade mineira, bem como, por elas foi marcado.

Pela instituição passaram importantes ícones da literatura e da política mineira, nomes como o de Carlos Drummond de Andrade que, na década de 1930, foi redator e revisor do Diário; e Murilo Rubião, criador e idealizador do Suplemento Literário da IOMG, que se tornou um dos mais reconhecidos do país dentro do gênero. Foi um reduto de grandes intelectuais responsáveis pela formação de uma geração de artistas, escritores e poetas mineiros.

Outro nome a se destacar é o de Abílio Barreto, que começou a trabalhar na Imprensa Oficial em 1898. Com apenas 15 anos, ocupou os cargos de aprendiz de tipógrafo. Posteriormente, assumiu como revisor, chefe de revisão, redator interino. Contemporâneo de Barreto, o ex-presidente Juscelino Kubitschek também foi funcionário da Casa, onde iniciou sua carreira como servidor público em 1927, atuando no Posto de Saúde da Instituição.

A história da autarquia também cruza suas linhas com a do TJMG que, por mais de 100 anos, publicou os atos judiciais no jornal e permanece nas páginas virtuais referentes às notícias do “Diário do Judiciário”. No acervo da Mejud, encontram-se salvaguardados exemplares da primeira e última edição do Diário.