Segundo o Plano de Diretrizes traçado a partir da Resolução 108/88, da Resolução 519/07 e das regulamentações da Resolução 252 e do Provimento 117 foram elaboradas atividades que abrangessem os objetivos específicos de inventariar, pesquisar e divulgar.

As atividades desenvolvidas na MEJUD compreendem:

  • Conservação preventiva, restauração e preservação do acervo documental histórico do Tribunal da Justiça de Minas Gerais (Secretaria do Tribunal de Justiça e nas comarcas) compreendendo a responsabilidade da coleta, recebimento de doações, aquisição, acondicionamento, higienização, pequenos reparos (restauração), conservação do acervo. Após inventariados os documentos são identificados e classificados.
  • Identificação, conservação e disponibilização do acervo fotográfico histórico da Casa.
  • Pesquisas referentes ao conteúdo histórico dos documentos.
  • Orientações aos Juízes  Diretores  dos  Foros das comarcas de Minas Gerais  quanto à criação e à manutenção de arquivos e centros de memória; apresentação das normas acerca da guarda e transferência de autos judiciais findos no curso de formação inicial de juízes da EJEF.
  • Publicações de notas históricas e notas biográficas.
  • Exposições permanentes, temporárias e itinerantes nos prédios do TJMG/ Belo Horizonte.
  • Visitas orientadas ao Palácio da Justiça Rodrigues Campos e ao Museu da Memória do Judiciário Mineiro.
  • Palestras, seminários e participação anual nos eventos do IBRAM (Semana Nacional dos Museus – maio e Primavera dos Museus em setembro);
  • Projetos de ação educativa no Museu.
  • Intercâmbio com o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), com o Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (IEPHA), bem como parceria com a Promotoria Estadual de Defesa do Patrimônio Cultural e Turístico de Minas Gerais, promovendo uma atuação conjunta para a defesa e preservação do acervo de valor histórico pertencente ao Poder Judiciário Mineiro.