19/06/2012

Foto: Marcelo Albert

2102-Antiguidades são tema de palestra

Nesta terça-feira, 19 de junho, bibliotecários, museólogos e servidores do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) participaram da palestra “Fontes de Informação em Artes e Antiguidades”, promovida pela Memória do Judiciário Mineiro (Mejud).

A professora da Universidade Federal de Minas Gerais e doutora em ciência da informação Júlia Gonçalves da Silveira apresentou, no Circuito de Seminários, as fontes de informações especializadas no setor de artes e antiquários. Ela ressaltou a importância de os comerciantes buscarem fontes estratégicas para promover e ampliar suas redes de conhecimento e relacionamento com os usuários.

Júlia Gonçalves considera a internet uma rede anárquica, onde há coisas boas e ruins. Para ela, é papel do profissional da informação organizar dados e educar usuários na busca de conhecimento relevante. Citando Adélia Prado – “O que a memória amou fica eterno” –, a palestrante resumiu sua paixão pelas artes e pelos antiquários e a motivação pelo tema de seu trabalho de doutorado.

A tese completa, Fontes de informação de antiquários: proposta de um modelo de análise e de categorização, pode ser acessada no site www.bibliotecadigital.ufmg.br.

O Circuito de Seminários da Mejud é realizado na terceira terça-feira do mês em parceria com o Grupo de Pesquisa e Estudos em Museologia-Arte e Estética na Tecnologia, Educação e Ciência (Musaetec), com o apoio da Assessoria de Comunicação Institucional (Ascom) do TJMG.

Outras Notícias