11/05/2018

Divulgação

CartazAprovadoFinal

A Memória do Judiciário Mineiro (Mejud) do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJMG) participará, de 14 a 20 de maio, da 16ª Semana Nacional de Museus. A temporada cultural, promovida pelo Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), em comemoração ao Dia Internacional de Museus (18 de maio), abordará o tema “Museus hiperconectados: novas abordagens, novos públicos”.

Dentro da programação, a assessora da Mejud, Andréa Costa Val, integrará a mesa redonda sobre Museus Virtuais e Digitais da Jornada Hiperconexões Museais, no dia 17/05, de 14h às 17h, no MM Gerdau Museu das Minas e do Metal, em Belo Horizonte. Participam também a pesquisadora Larissa Fernandes Dutra (ECI/UFMG) e a professora Flávia Lemos Mota de Azevedo (Divinópolis/UEMG).

Os convidados discutirão questões relativas às tecnologias em uso nos museus e apontarão novas ferramentas ainda não utilizadas plenamente e que possibilitam uma expansão dos museus, bem como as possibilidades de se conectarem a outras instituições e ao público.

O evento é organizado pelo Laboratório de Poéticas Fronteiriças (LabFront) e o Grupo de Pesquisas e Estudos em Museologia – Arte – Estética na Tecnologia, Educação e Ciência (Musaetec-UFMG/ECI). O Museu das Minas e do Metal está localizado na Praça da Liberdade, s/nº.

Ao longo da semana, o Museu da Mejud estará aberto para visitas guiadas de 10h às 17h. O endereço é avenida Afonso Pena, 1420, Centro, em Belo Horizonte. Telefone: (31) 3237-6224.

Conectividade

A 16ª edição da Semana de Museus contará com a participação de 1.130 museus de todo o país. O público terá acesso a 3.261 atividades especiais, como visitas mediadas, palestras, oficinas e exibição de filmes.

O Ibram explica que o modo de interação dos museus com seu entorno, especialmente nos grandes centros urbanos, foi definitivamente impactado com o avanço da conectividade digital. “Para alguns, a interação entre pessoas e máquinas tornou-se capital. Para outros, ainda há limites a serem superados para dar conta do novo paradigma digital”, justifica.

Segundo o Ibram, os museus devem apostar em iniciativas que busquem pela via tecnológica se (hiper) conectar aos seus antigos e novos públicos. O Instituto destaca, ainda, que os investimentos em digitalização e preservação de acervos, desenvolvimento de sítios web interativos, presença ativa nas redes sociais, uso de aplicativos e softwares para mediação são alguns dos caminhos nessa nova trama.